Tipos de uvas

DIVERSIDADE VITIVÍNICOLA

O Chile é um paraíso para a produção de vinhos, devido ao regime de altas temperaturas no versão e invernos frios e chuvosos. Além disso, a Cordilheira dos Andes permite a irrigação por derretimento das neves e oferece uma proteção natural contra pragas ou doenças.

O Chile tem um dos melhores terroirs do mundo, com vinhas plantadas desde a borda do deserto de Atacama até mais ao o sul de Bío-Bío, gerando uma grande diversidade de tipos de solo e climas para produzir uma grande variedade de vinhos.

O vinho chileno remonta ao período colonial com a chegada dos conquistadores e missionários espanhóis, que plantaram as primeiras uvas. A atividade desenvolveu uma grande diversificação de uvas, atingindo um renome mundial depois de muitas décadas de trabalho.

Nesta seção podemos ver descrições e principais características das cepas cultivadas no Chile.

Cabernet Franc

A cepa Cabernet Franc é usada para produzir vinhos mais suaves que a Cabernet Sauvignon. Essa cepa é usada para produzir vinhos tintos ou rosados. Os vinhos produzidos com Cabernet Franc são mais suaves em taninos que aqueles feitos com Cabernet Sauvignon e são usados em assemblages sutis e complexas, acelerando seu amadurecimento e evolução. Levemente floral, com textura suave e acidez nunca muito elevada, a Cabernet Franc também é conhecida por uma forte presença de aromas herbais, o que torna essa cepa particularmente rara tanto no Chile como no resto do mundo.

Cabernet Sauvignon

Reconhecida mundialmente, essa variedade é reconhecida por ser a base para o “rei” dos vinhos tintos. A cepa Cabernet Sauvignon tem hoje no Chile o seu segundo lar, desde sua chegada vinda da França em meados do século XIX. Essa uva de maturação tardia cresce nos vinhedos dos vales do Aconcágua, Maipo, Cachapoal e Colchagua, onde a alta insolação, a brisa que desce da Cordilheira dos Andes que causa noites frias e a ausência de chuva no verão permite um Cabernet de qualidade muito alta, com uma maturidade ótima com notas de frutas vermelhas, aromas de groselha negra, figos, cacau e até trufas.

Carignan

Conhecida como Carignane nos EUA, Carignano na Itália e Mazuelo e Cariñena na Espanha, é uma variedade de elevada acidez, altos taninos e cores intensas. As vinhas de Carignan são cultivadas principalmente no sistema “cepas de cabeza” e são de maturação tardia. No Chile, onde a área costeira seca nas regiões de Maule é muito expressiva, uma associação de produtores coordenou esforços para criar a marca compartilhada VIGNO, com indicações precisas de terroir, vinificação e viticultura, com ótimos resultados. Em termos de harmonização, é uma excelente variedade para acompanhar carnes, além de embutidos e pratos com toques defumados.

Cinsault

A Cinsault é uma variedade de tinto conhecida há séculos, originária do sul da França, e usada em Chateauneauf du Pape e em Languedoc Rousillon. Na África do Sul era chamada de Hermitage, e por isso o seu cruzamento com a Pinot Noir deu origem à uva Pinotage. Tem uma boa resistência à seca. No Chile, encontrou seu lugar na zona centro-sul do país, mais especificamente no vale do Itata. Nesta região, também conhecida como Secano Costero, encontramos alguns dos poucos monovarietais da Cinsaut produzidos, vinhos definidos pelos jornalistas como fáceis de beber, frescos, muito frutados e que possuem de um enorme potencial.

Carménère

Os vinhos Carménère se tornaram emblemáticos do Chile. Essa cepa de uvas tintas desapareceu dos vinhedos europeus em meados do século XIX, para ressurgir em meio às plantações de Merlot no Chile um século depois. O Chile se tornou o principal refúgio dessa variedade, sendo o terroir de Colchagua a área com a maior superfície de cultivo da uva. O clima chileno, que é seco nos meses de amadurecimento, permitiu uma boa adaptação dessa cepa tardia, que exige um ótimo terroir. Seu potencial enológico é altíssimo, com grande complexidade e elegância, caracterizado por sua intensa cor vermelha ou grená, aromas de frutas vermelhas, terra molhada e especiarias. Variedade ideal para ser apreciada com comida chilena graças às especiarias características da variedade.

Merlot

A Merlot continua sendo uma das variedades mais produzidas no mundo. Esse tinto frutado, de textura suave, é extremamente fácil de beber. Originário da região francesa de Bordeaux, chegou ao Chile em meados do século XIX, mas só se tornou realmente popular no início da década de 1990, com vinhos aveludados, elegantes e de ótima harmonização na mesa.

Petit Verdot

É uma variedade de uva tinta característica de Bordeaux. Seu cultivo não é muito extenso em termos mundiais, e é geralmente usada em assemblages de tintos em vinhos de alta qualidade. A Petit Verdot vem de uma variedade de uva que amadurece tarde e é altamente resistente à doença da podridão. Tem casca grossa (característica que compartilha com o Cabernet Sauvignon), alta carga tânica, de grande concentração e rica em cor.

Malbec

A Malbec produz um tinto versátil, de intensa cor vermelha e matizes violáceos e azulados, aromas que remetem a frutos do bosque e taninos suaves e redondos. A cepa é original de Cahors, no sudoeste da França, e as primeiras plantações dessa variedade na América do Sul foram justamente no Chile, no século XIX. O Malbec chileno é proveniente de áreas mais frias, produzindo vinhos caracteristicamente frescos e elegantes. Com grandes quantidades de frutas suculentas no palato, seus taninos são geralmente macios e sedosos. Tem um corpo amplo e textura exuberante, podendo ser vinificado por si só ou usado em misturas. Em termos de harmonização, é o vinho ideal para acompanhar carnes assadas.

País

A cepa País chegou ao Chile com as missões espanholas no século XVI. Os missionários precisavam de um vinho para celebrar as missas. Um vinho que se conservasse durante o ano todo, sem perder suas qualidades. E a País foi escolhida para evangelizar o Novo Mundo. É uma variedade rústica, que cresce em climas difíceis e portanto é muito resistente. Ela se desenvolveu no centro-sul do Chile, uma região árida que começa ao sul de Santiago e termina próxima a Yumbel, no sopé da Cordilheira da Costa, um terroir que ainda mantém vinhedos com mais de 200 anos de idade e ainda ativos produtores de uvas. Há alguns anos, a variedade teve um redescobrimento e passou a chamar a atenção dos jornalistas especializados e dos consumidores.

Pinot Noir

Com a busca de terroirs chilenos de clima frio, vem aumentando o número de vinhedos que fornecem as condições ideais para essa preciosa e delicada variedade desenvolver e encantar os fãs de Pinot em todo o mundo. Muito exigente em relação ao terroir, áreas de climas frios como Casablanca, San Antonio e Bío-Bío estão se transformando em excelentes produtores de Pinot Noir, apresentando vinhos de qualidade incrível e altamente competitivos em relação aos seus similares no mundo. Além disso, graças às condições climáticas do clima noturno frio característico dos vales que produzem vinho chileno, a Pinot Noir chilena produz vinhos de excelente coloração, longo armazenamento e o frescor exato exigido por esta linhagem.

Sémillon

Essa variedade foi a uva branca mais cultivada no Chile na década de 1960, mas sua produção caiu abruptamente nas décadas seguintes e passou por um período de esquecimento. Atualmente, a variedade está passando por um redescobrimento de sua identidade no Chile, e as vinícolas chilenas estão lançando uma “nova onda” da variedade. Em termos de viticultura, é uma uva muito resistente a doenças, exceto no caso da podridão. É uma variedade com muitos usos, sendo empregada na elaboração de vinhos secos ou doces. Além disso, juntamente com a Riesling, a Sémillon tem a virtude de ser suscetível à “podridão nobre”, tornando-se uma das variedades brancas com maior potencial para armazenamento.

Syrah

Se existe uma palavra que define a Syrah é versatilidade, sendo uma variedade que muda e se transforma completamente dependendo do terroir que habita. Em climas quentes, como o Vale do Colchagua, apresenta vinhos grandes e vigorosos com aromas de frutos escuros. Em climas mais frios, como San Antonio ou Elqui, eles se transformam sublimemente em vinhos picantes e complexos, frequentemente no topo das listas internacionais de pontuação em degustações. Além da versatilidade e do grande caráter desta linhagem, a sua viticultura é caracterizada pelo grande vigor nos primeiros anos de vida, para dar lugar a plantas mais equilibradas e generosas com o passar dos anos.

Chardonnay

Uva favorita para vinhos brancos no mundo, a Chardonnay se adaptou muito bem a locais de clima frio como Casablanca, San Antonio, Aconcagua e mais recentemente, e com grande sucesso, em Limarí, onde adquire uma atraente mineralidade graças aos solos de calcários da área e da brisa marítima que refresca todo o território chileno. Intenso na boca, é uma variedade que é vibrante nos terroirs certos, produzindo uvas que que se permeiam através da madeira, ganhando complexidade e tons de avelã torrada na medida perfeita. Ótimo para peixes e carnes brancas.

Riesling

Enquanto novas zonas de clima frio estão sendo exploradas no Chile, os produtores locais estão renovando seu interesse por essa uva de origem alemã. No Chile, a Riesling é cultivada principalmente nos vales mais frios ao sul de Santiago: Rapel, Curicó e Maule. Vinicultores inovadores interessados em experimentar estão se dedicando nos últimos anos a esta linhagem. A Riesling produz vinhos com tons de verde a dourado, e sabor leve e fresco, às vezes mineral. Seu aroma é marcado por diversas variedades cítricas, como toranja e limão, além de notas de maçã e maracujá.

Sauvignon Blanc

Intimamente ligada aos climas frios, e cultivada historicamente no vale de Casablanca no Chile, a variedade pode ser definida pela palavra frescor. São vinhos extremamente aromáticos, com toques de frutas cítricas, maçã verde, pera, abacaxi e talvez algumas notas minerais e ferrosas. Aromas que se harmonizam com o mar e as receitas do litoral, que exigem um vinho vibrante para equilibrar a potência dos pratos. Sem dúvida, a Sauvignon Blanc chilena soube encontrar o seu lar na América do Sul, e o Oceano Pacífico é seu melhor aliado para destacar seu frescor.

Viognier

Apesar de estar presente no Chile há algumas décadas, a Viognier é um dos brancos menos explorados no país. Trata-se de uma variedade de germinação precoce e com um período médio de maturação. Precisa de climas quentes e com uma boa insolação, dando resultados muito bons em solos graníticos. Ao contrário das conhecidas Sauvignon Blanc e Chardonnay, é uma variedade que gosta do calor e goza de um corpo mais poderoso e gordo. É uma variedade fresca e intensa, com notas de especiarias, que fazem da Viognier uma companheira versátil para diversas receitas de verão, e também harmonizando-se até com as carnes mais pesadas, como a carne de porco.